FUNCIONÁRIO

1º - Funcionário do condomínio não é empregado doméstico
Apesar de trabalhar na esfera domiciliar dos condôminos, aplicam-se a eles as normas da legislação comum trabalhista, com todos os seus direitos e corolários.

2º - Admissão e demissão é com o síndico
Como representante legal do condomínio, o síndico tem plenos poderes para admitir e demitir funcionários, salvo se houver cláusula específica regulando o assunto na convenção ou no regimento interno. Para evitar demissões arbitrárias, tão onerosas ao condomínio, convém disciplinar o assunto, restringindo tal poder, com consulta prévia ao conselho consultivo ou à assembléia.

3ª - Número de funcionários é com a assembléia ordinária
Despesas de funcionários e encargos são despesas ordinárias. Mas há diferença entre ter dois ou cinco empregados no prédio. Seu número deve constar do orçamento anual a ser aprovado em assembléia. Não deve ficar ao alvedrio do síndico.

4ª - Lugar de porteiro é na portaria
A função do porteiro é importante demais para ele circular fora de seu posto de comando. Não deve ficar na frente do prédio, do lado de fora, nem em outras dependências, de onde não possa controlar o fluxo de entrada de pessoas e veículos.
Não sair para realizar trabalhos de terceiros em horário que esteja exercendo a sua função no condomínio. 


5ª - Lugar da mulher do zelador não é na portaria
Se o condomínio tiver zelador residente e sua mulher não for funcionária do condomínio, seu lugar não é, certamente, na portaria. Não deve substituir o marido. O vínculo empregatício que resultará custará muito caro aos condôminos.

6ª - Condômino não é patrão direto do empregado
O funcionário foi contratado pelo condomínio, por meio de seu representante legal, o síndico. Não cabe a cada condômino, individualmente, a tarefa de chamar a atenção dos funcionários. Na omissão do síndico ou em caso de necessidade urgente, até se admite, em função do princípio de que cada condômino deve defender os interesses da coletividade. Na rotina do dia-a-dia, deixar essa tarefa para o síndico.

7ª - Funcionário não é confessor nem confidente
Se não quiser que sua vida particular seja conhecida de outros, não a conte para funcionários do condomínio. Por norma funcional, ele não deve ser indiscreto com relação ao que sabe sobre os condôminos, mas não fez nenhum voto nesse sentido.

8ª - Porteiro não é atleta nem técnico
O equipamento que usualmente se coloca na portaria (interfone, telefone, controle do portão eletrônico e da porta de entrada, visor ou visores de TV em circuito fechado, etc.) exige do porteiro perícia de técnico e coordenação motora de jogador de basquete. Nem todos têm treinamento e habilidade para tanto.

9ª - Zelador residente não é banco 24 horas
O zelador reside no edifício, mas trabalha para o condomínio. Deve ter horário de trabalho como todos os demais funcionários. Excepcionalmente, poderá ser acionado para resolver problemas de urgência. Trabalho continuado fora do expediente poderá resultar em pagamento de horas extras, com todos os demais acréscimos trabalhistas. Cuidado.

10ª - Funcionário é parte do condomínio
Trabalha quase dentro da nossa casa. Conhece nossos hábitos. É membro ativo da comunidade condominial. Trate-o bem.
Fonte: Guia do Condomínio - IOB

                                                                                                                                                               

Quais os riscos e vantagens de ter os funcionários do condomínio terceirizado

Os funcionários em um condomínio são os que cuidam do patrimônio e bem estar de todos os moradores e geralmente são responsáveis pela metade do valor da contribuição mensal dos condôminos. Como podem ser terceirizados nos edifícios, segundo as normas da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e a súmula 331 do Tribunal Superior do Trabalho (TST), a procura por esse tipo de contratação cresce no setor.



                                                                                                                                                                   

 Funções do Gerente Predial
 Atribuições dos funcionários
Conheça as Atribuições desse profissional, cada vez mais requisitado

Muitos edifícios comerciais, e até condomínios residenciais de alto padrão, vêm adotando o cargo de gerente condominial em sua administração. Ele é uma espécie de super-zelador, lidando com gerenciamento dos funcionários, dos prestadores de serviço, ficando encarregado da manutenção e muitas vezes da administração "burocrática" do condomínio, para que o síndico se ocupe apenas do relacionamento com os condôminos.
Muitos edifícios comerciais, e até condomínios residenciais de alto padrão, vêm adotando o cargo de gerente condominial em sua administração. Ele é uma espécie de super-zelador, lidando com gerenciamento dos funcionários, dos prestadores de serviço, ficando encarregado da manutenção e muitas vezes da administração "burocrática" do condomínio, para que o síndico se ocupe apenas do relacionamento com os condôminos.

Perfil do profissional

  • O gerente de condomínio, assim como o zelador comum, é o braço direito do síndico dentro do condomínio
  • O que o diferencia do zelador é que sua função requer conhecimentos geralmente mais aprofundados em relação a assuntos técnicos (como a parte hidráulica e elétrica), além de lidar com assuntos burocráticos (compras, cotações) e administração de pessoal
  • Segundo as fontes consultadas, um gerente de condomínio não necessariamente deve ter um curso superior, apesar de ser recomendável
  • O perfil ideal seria a formação em engenharia ou, então, em administração com especialização em alguma área técnica ligada ao condomínio

Atribuições

O gerente, que funciona como uma espécie de superzelador, tem como atribuições básicas:
  • Gerenciar o pessoal do prédio
  • Realizar cotações e lidar com fornecedores
  • Coordenar o controle de acesso dos edifícios, realizando relatórios periódicos de controle entregues ao síndico
  • Ser capacitado a realizar trabalhos de prevenção e combate a incêndios
  • Ter bons conhecimentos relacionados à parte elétrica e hidráulica dos edifícios
  • Conhecer as normas técnicas e regulamentações relacionadas ao condomínio
  • Conhecer os produtos disponíveis no mercado, da área de segurança à de limpeza
  • Intermediar contatos entre construtora e proprietários
  • Instruir funcionários com relação ao atendimento
  • Ter preocupação constante com relação à segurança do edifício
  • Ter conhecimento da Convenção e do Regulamento Interno do edifício
  • Por gerenciar os funcionários do edifício, o gerente deve ter uma boa capacidade de comunicação e liderança 


Habilidades

  • Conhecimento técnico em hidráulica, elétrica, manutenção predial e noções de engenharia
  • O gerente condominial deve sempre acompanhar e motivar os funcionários
  • Com relação aos terceirizados, o acompanhamento deve ser constante, mas feito por meio da supervisão da empresa contratada. Isso evita configurar vínculo empregatício
  • O gerente deve ter uma boa comunicação e saber expressar com clareza e objetividade o que espera de cada funcionário
  • É importante também que o gerente estabeleça uma rotina de trabalho, para que cada funcionário saiba o que dele se espera
  • Os procedimentos devem ser reavaliados ou reforçados em reuniões periódicas de trabalho
  • Uma chefia extremamente liberal, onde não há regras, gera insatisfação por parte dos moradores
  • Por outro lado, uma chefia autoritária causa desmotivação e insatisfação dos funcionários
  • O ideal é adotar um estilo "presente e democrático", em que o gerente ouve os funcionários ao mesmo tempo em que exige o cumprimento das tarefas
  • Isso cria satisfação e aumenta a produtividade
  • O gerente deve sempre checar se a prestadora de serviços está em dia com as obrigações trabalhistas, para evitar futuros problemas judiciais para o edifício
  • Fonte:  SíndicoNet

Nenhum comentário: